PELE E FIBROMIALGIA

 

 

  Estima-se que aproximadamente 70% das pessoas com fibromialgia sofram com problemas de pele associados com a doença. Entre as aflições mais comuns estão as erupções e as irritações cutâneas crônicas.

 

  Embora a maioria dessas afecções não sejam ameaças para a saúde, elas podem ser muito irritantes e alterar a qualidade de vida do paciente. A coceira pode dificultar o sono e aumentar a dor e a fadiga. Os problemas de pele também podem limitar a escolha de roupas e de alimentos.


  Há diferentes tipos de problemas de pele que se manifestam na fibromialgia e muitos deles podem ocorrer simultaneamente ou se tornar crônicos:

  Coceira: É a queixa mais comum entre os pacientes com fibromialgia. Muitas pessoas são atormentadas com coceira no corpo inteiro e às vezes o ato de coçar em excesso provoca dor, inflamação, infecção, ou neurodermatite (caracterizada por um ciclo contínuo de produção de coceira). A coceira crônica pode ainda causar o espessamento da pele, deixando-a com uma textura semelhante à do couro.

 

  Pele seca: Muitos pacientes sofrem cronicamente com a seca pele e descamativa, que pode aparecer em qualquer parte do corpo, mas afeta particularmente as mãos e os dedos. Às vezes, a descamação causa dor e desconforto.

  Parestesia: É uma sensação anormal e desagradável sobre a pele que assume diversas formas: sensação de que existe algo andando sobre a pele; sensação de picadas; queimação; amortecimento ou formigamento e sensações de frio ou de calor especialmente nas palmas das mãos, solas dos pés e coxas.

 

  Manchas: A pele dos pacientes pode mudar de cor, de aparência ou de tom. Manchas escuras podem aparecer por todo o corpo, principalmente no interior dos antebraços e coxas. A exposição ao sol pode escurecer essas manchas ou torná-las vermelhas e inchadas.

  Pele sensível: Muitos relatam que a pele dói quando é simplesmente tocada. Essa sensibilidade, conhecida como alodinia, pode causar inúmeros problemas, desde vermelhidão e inchaço, até hematomas e cicatrizes. Essa sensibilidade frequentemente impede o fibromiálgico de participar plenamente das atividades diária.

  Erupções: Geralmente se desenvolvem como resultado da pele seca ou da coceira. Elas aparecem como protuberâncias e podem ser escamosas ao toque.

 

  Dermografismo: É uma mancha vermelha elevada parecida com urticária que aparece quando se esfrega a pele. Essa ocorrência parece ser mais comum na pele acima dos músculos doloridos.

  Causas - As causas dos problemas de pele na fibromialgia ainda são um mistério para os médicos, cientistas e pesquisadores. Ninguém está realmente certo porque a pele é tão afetada pela doença.

  Os primeiros estudos, creditados ao Dr. Caro Xavier, mostraram um nível elevado de proteínas imunoreativas logo abaixo da superfície da pele. O pesquisador acredita que essas proteínas atravessam os vasos sanguíneos porque os pacientes com fibromialgia possuem os poros desses vasos maiores do que o de pessoas saudáveis. Ele afirma, ainda, que o corpo trata essas proteínas como substâncias estranhas e desencadeia uma reação imunológica.

 

  Em 1997, pesquisadores suecos descobriram que pessoas com fibromialgia apresentam um tipo celular, chamado mastócito, em níveis quatro vezes mais elevados que em indivíduos saudáveis. Ele é gerado pelo sistema imunológico e é preenchido com histamina e citocinas, que quando liberadas podem causar alergia, dermografismo, irritação dolorosa nos tecidos circundantes e provocar uma resposta neuroimune. O mastócito também libera heparina, um anticoagulante que poderia explicar as manchas roxas na pele dos pacientes.

 

  Em 2004, o médico suíço Dr. Haiko Sprott, descobriu que os pacientes com fibromialgia possuem menos capilares sanguíneos e que, além disso, estes apresentam uma forma irregular. Isso reduz drasticamente o fluxo de sangue para a pele e para outros tecidos periféricos do corpo dos pacientes com fibromialgia.

 

  A descoloração da pele pode ser resultado de uma atividade exacerbada da glândula pituitária no cérebro. A hipófise é responsável pela produção de hormônio estimulante de melanócitos, que produz a melanina e gera a pigmentação dos olhos, pele e cabelo. Por alguma razão parece não existir muita melanina na pele dos portadores de fibromialgia.

 

  A pele é um órgão bastante vascularizado, com muitas glândulas sudoríparas e milhões de pequenas terminações nervosas que levam mensagens ao cérebro. A hipersensibilidade destas terminações nervosas pode ser uma das responsáveis pelas sensações cutâneas anormais na fibromialgia:

  A pele sensível (alodinia) pode ser o resultado direto de uma disfunção no sistema nervoso central que impede o cérebro de ler corretamente os sinais de dor, podendo tornar a pele sensível ao toque.

  A coceira também pode ser resultado de sinais de dor mal interpretados pelo cérebro. Receptores sob a pele são responsáveis por enviar mensagens ao cérebro sobre o que estamos sentindo. Às vezes, esses receptores não sabem como interpretar essas mensagens sensoriais e trocam a sensação dolorosa pela coceira.

 

  Presume-se que o dermografismo possa ser causado por uma resposta exacerbada dos nervos à dor.

  Tratamentos e cuidados - Existem inúmeros tratamentos disponíveis para ajudar a aliviar os efeitos associados aos problemas de pele causadas pela fibromialgia, além de vários cuidados que você pode tomar para reduzir e aliviar essas afecções:

  Cremes hidratantes são bons para aliviar a pele seca e rachada. Depois de tomar um banho morno, estes cremes devem ser aplicados generosamente em todas as áreas afetadas.

  Cremes manipulados contendo corticosteróides são indicados para pele muito seca.

  A pele manchada pode ser tratada com cremes clareadores ou terapia de luz ultravioleta.
  Tomar banhos mornos e rápidos. Evite banhos demorados e quentes que desidratam a pele e a deixam mais sensível.

  Limpar e enxugar a pele sempre com delicadeza, sem esfregar com força.

  Usar roupa íntima e de cama de algodão. Evite roupas muito apertadas, tecidos sintéticos e meias de nylon.

  Deixar o quarto um pouco mais frio à noite, para evitar suar muito durante o sono, pode também diminuir a irritação da pele.

  Para aliviar a coceira você pode banhar a região afetada com uma solução morna de aveia e água ou aplicar compressas frias para “anestesiar” a área.

  Evite cremes esfoliantes, lenços umidecidos com fragrâncias e cosméticos que contenham álcool ou ingredientes mentolados e cítricos.

  Evite coçar e esfregar as lesões.

 

VOLTAR                                                       TOPO