AUMENTO DE PESO NA FIBROMIALGIA

 

Porque o aumento de peso é um problema para pacientes de fibromialgia e o que fazer - por Mark J. Pellegrino, MD

Resumo autorizado do livro do Dr. Pellegrino - Fibromyalgia: Up Close and Personal (*).

O ganho de peso é um problema comum observado na fibromialgia. Muitas mulheres queixam que o aumento de peso se tornou um grande problema, uma vez estabelecida a fibromialgia. Não é incomum para uma pessoa engordar de 11 a 14 quilos no primeiro ano após o diagnóstico. Vários fatores estão envolvidos no ganho de peso e incluem:

1. Diminuição do metabolismo: Várias alterações hormonais podem tornar o metabolismo lento. Estudos têm demonstrado deficiências ou desequilíbrios hormonais (cortisol, tireóide, serotonina, hormônio do crescimento) na fibromialgia. A insulina e outros hormônios provavelmente são afetados também.
O Dr. Leslie J. Crofford (**) tem descrito anormalidades hormonais na fibromialgia e como elas interferem na comunicação fisiológica entre o cérebro e o organismo. Estreitamente ligado com os hormônios está o sistema nervoso autônomo. Os nervos autonômicos são vitais na coordenação dos hormônios e desempenham um papel importante na regulação e na distribuição de nutrientes para as nossas células.
A hipoglicemia é um bom exemplo da combinação dos desequilíbrios hormonais endócrinos e a disfunção do sistema nervoso autônomo. De uma forma geral, as anormalidades neuroendócrinas na fibromialgia provavelmente interferem no metabolismo do corpo (diminuindo-o), e parte do tratamento envolve substituir ou suplementar hormônios para ajudar a melhorar o metabolismo do organismo.

Um metabolismo lento significa que menos calorias são queimadas. Se menos calorias são queimadas e sem mudança nas calorias consumidas, o ganho de peso irá acontecer. Além disso, algumas mulheres, depois dos 40 anos, desenvolvem a fibromialgia ao mesmo tempo em que entram em menopausa precoce (redução de estrogênio). Isso pode diminuir ainda mais metabolismo e aumentar o potencial de ganho de peso.

2. Hipoglicemia: Baixos níveis de açúcar no sangue - O aumento da sensibilidade à insulina resultará em muita glicose sendo retirada da corrente sanguínea e levada para dentro do músculo. Como músculos têm capacidade muito limitada para armazenar toda essa glicose extra, o corpo é forçado a armazenar gordura, convertendo esse excesso de glicose em tecido adiposo.

Contrariamente ao mito popular de que a obesidade é o resultado de comer demais, ela geralmente é o resultado de comer muito carboidrato. Uma dieta rica em carboidratos provoca aumento de peso convertendo a glicose em gordura e, se a fibromialgia causa mais atividade e sensibilidade de insulina, então o ganho de peso pode ser ainda maior. O mito é que a maioria das pessoas com sobrepeso come muito. Na verdade, a maioria das pessoas com sobrepeso pode ter um desejo maior por carboidratos e estes são facilmente convertidos em gordura. A fibromalgia facilita este processo. Uma dieta rica em proteína e pobre em carboidratos pode ajudar.

3. Medicamentos: Os efeitos colaterais dos medicamentos utilizados para tratar a fibromialgia podem causar ganho de peso pela diminuição do metabolismo, alteração hormonal, retenção de líquidos ou aumento do apetite. Os antidepressivos são os que mais afetam o peso. Medicamentos como o estrogênio e prednisona (corticóide) podem também contribuir para o ganho de peso. Se algum medicamento está causando ganho de peso pode ser preciso interrompê-lo ou ajustar sua dose, dependendo das necessidades médicas do paciente.

 

4. Redução da atividade física devido a dor: Pessoas com fibromialgia não são tão ativas porque a atividade aumenta a dor. Assim, é difícil aumentar o gasto energético ou a queima calorias com o exercício e a atividade. Menos caloria queimada pode significar ganho de peso. Qualquer programa de tratamento deve incluir tentativas de aumento no nível da atividade global.

FUNDAMENTAÇÃO: Nós discutimos alguns dos problemas básicos da fibromialgia,como as alterações no metabolismo e a resposta disfuncional ao carboidrato. Esses problemas contribuem consideravelmente para muitos dos nossos mais incômodos sintomas, incluindo dor, fadiga, fibrofog, irritabilidade, ansiedade, tontura, desejo por carboidrato, bexiga irritável, intolerância e sensibilidade alimentar.

A dieta americana agrava e perpetua os problemas da fibromialgia. Podemos ter tolerado bem uma dieta rica em carboidratos e baixo teor de gordura antes da fibromialgia, mas, uma vez que a adquirimos, esta dieta não funciona mais e provavelmente piora os sintomas.

Por causa do nosso metabolismo lento, é difícil para nós, comer menos e notar a diferença. Por causa da nossa dor, é difícil aumentar o nível exercício para queimar mais calorias. Idealmente, precisamos de uma dieta que melhore a eficiência da queima de calorias, através da ingestão de alimentos que ajudem a aumentar o nosso metabolismo:

1. Boas proteínas:
• Carnes magras, pele de frango, peru, peixes. Salsichas e bacon por conter maior quantidade de gordura saturada devem ser consumidos em quantidade mínima;

• Ovos que é uma grande fonte de proteínas;

• Tofu;
• Laticínios como queijo, nata, manteiga, leite desnatado, queijo cottage e iogurte sem açúcar. Use preferencialmente os produtos lácteos com baixos teores de gordura;
• Legumes como feijão, ervilha, amendoim, lentilhas e soja.

2. Bons carboidratos:
• Legumes são uma fonte de carboidratos que são possuem elevada quantidade de fibra e menor teor de açúcar. Alguns produtos como o milho têm mais carboidratos do que outros;
• Frutas frescas como abacate, framboesas e morangos têm um mínimo de carboidratos. Evite frutas secas.

 

3. Boa gorduras:
• Óleos vegetais, principalmente o azeite. Outros óleos vegetais são aceitáveis, incluindo soja, milho, girassol e amendoim;
• Óleos de peixe que são ricos em Ômega-3;
• Amêndoas;
• Abacates.

4. Outros:
• Salada que incluem nozes, azeitonas, bacon, queijo ralado, cogumelos e outros legumes são permitidos;
• Óleo de linhaça é um saudável suplemento que contém gorduras essenciais;
• Adoçantes artificiais e bebidas diet são permitidos com moderação.

[Nota: O Dr. Pellegrino apresenta uma lista pormenorizada de ALIMENTOS PARA EVITAR como doces, pães e massas, especialmente feitos de farinha branca; arroz, sobretudo o branco; batata; óleos parcialmente hidrogenados (gordura trans); bebidas carbonatadas; álcool, exceto com moderação; etc.]

 

(*) Fibromyalgia: Up Close & Personal by Mark Pellegrino, MD, foi publicado em 2005 pela Anadem Publishing (www.anadem.com) © Anadem Publishing, Inc. and Mark Pellegrino, MD, 2005, all rights reserved. Os leitores podem pedir este livro através do link: ProHealth.com Book Store.


(**) “Neuroendocrine Abnormalities in Fibromyalgia and Related Disorders,” Leslie J. Crofford, MD, American Journal of Medical Science. 1998;315:359-366. Dr. Crofford é professor do Internal Medicine, Rheumatology, da University of Tennessee Health Sciences Center.

 

Tradução: Teresa Araujo

 

Texto original: http://www.prohealth.com/fibromyalgia/library/showArticle.cfm?libid=12301

 

                             VOLTAR                                                                TOPO